sexta-feira, dezembro 22, 2017

Despedida de uma miauzinha muito amada



O dia termina e foi lindo, de céu azul límpido.
O sol já se pôs e só vemos bordas rosadas no horizonte, enquanto os passarinhos cantarolam animados.
Enquanto escrevo, minha amada filha gatinha ressona tranquila.
Provavelmente esta é sua última noite em nossa companhia...
Nos últimos três meses ela passou por percalços, até ficou ceguinha e mancando em uma das pernas, embora tenha preservado sua beleza de gatinho, o pêlo longo e a vontade de fazer as coisas do jeito dela. Isso foi sinal de que a hora dela estava chegando...



E eu, bem, estou de coração partido.
Sei que ela tem quase 17 anos, e que persas costumam viver só metade disso.
Que ela foi uma gatinha sortuda por ter humanos dedicados que prestaram atenção ao seu bem estar e saúde, que a protegeram com carinho.
Mas também sei que ela foi minha fiel companheira desde que a recebi em nossa casa.
Só tenho a agradecer por ter visto suas espreguiçadas e cochilos ao sol.
Por ter convivido com suas manhas e gracinhas, por ter ouvido tantos ronrons que mais parecem um passarinho feliz.
Pelos abraços e pelo amor que compartilhamos.
E já estou sentindo imensamente a sua falta, minha amada filha gatinha, menina linda do meu coração.

Que Bast a leve nos braços e a abençoe nessa passagem.


(Esta imagem de Bast é do maravilhoso Dave Mcqueen)

sexta-feira, dezembro 15, 2017

Frio pacas!

Aí a criatura vem para uma terra onde o inverno é frio.
Geladão. Úmido e enevoado.
E a criaturinha descobre: tá frio pacas! (F-r-i-o  P-a-c-a-s!!)
O que ela faz? Se agasalha, é claro.
Mas criaturas acostumadas ao calor e recém chegadas ao frio não aprenderam ainda as manhas.
Geralmente o inverno no Brasil não fica muito abaixo de 15 graus, né!
Então nossa exemplar criatura coloca meia calça com pé + calça, + meia de algodão.
Mais a camiseta de manga longa (algodão, claro).
E uma malha de "lã" que na verdade é de acrílico.
Só que acrílico, poliéster e afins são uma roubada gigante.
Essa sim é a turminha do mal: te aquecem num primeiro momento.
Aí continuam te aquecendo depois que você está quente.
Como não são fios naturais, não conseguem gerenciar direito o suor.
E esse é o pecado do inverno: a criatura se agasalha imensamente achando que vai passar frio, porque tá frio pacas. (F-r-i-o  P-a-c-a-s!!)
E aí o suor, que não consegue sair por todas essas roupas, vai esfriar aquele corpo superaquecido, que suou, é claro!, e a pobre criaturinha vai ficar gelaaaadaaaaa... pacas.
(G-e-l-a-d-a  P-a-c-a-s!!)



Para resolver, precisa de malha e meia de lã. Ou tecidos técnicos.
O algodão é bom, mas nem sempre ele consegue gerenciar essa umidade toda.
Mas a lã consegue gerenciar a umidade até 50% de seu peso, ajuda tanto!
Se for meia calça com lã, maravilhoso. E sem pé, tá, porque se a sua meia 3/4 de lã ficar suada (e molhada), seu pé vai esfriar.
Então a gente troca a meia quando ela fica úmida. Eu costumo levar um par seco quando saio para ficar o dia todo fora. (E um saquinho para guardar a meia úmida que acabei de tirar do pé!)

O casaco precisa ser impermeável, leve e quentinho.
Ou seja, esqueça o casaco da vovó, pesadão, que vai te deixar super cansado.
O ideal é um trench coat com parte interna quente ou, melhor ainda, as famosas down jackets, aqueles casaquinhos recheados de penas de ganso.
Uma down jacket e uma camiseta de manga longa aguentam até uns 13 ou 14 graus.
Menos que isso, uma malha de lã resolve e nem precisa ser muito grossa, ok.
A melhor parte: segura o vento, que é implacável por estas terras.
Lembre de colocar uma bota confortável que cubra ao menos parte do tornozelo e de levar um bom guarda-chuva.
Você vai sobreviver sem precisar de milhares de camadas de roupas!!
Afinal, conforto é essencial no frio. E eu fico feliz porque aprendi tudo isso antes de mudar pra Portugal...

domingo, julho 30, 2017

Tricô de cima para baixo

Tem alguns anos (em 2008, para ser exata), comecei a tricotar seguindo um esquema muito interessante, conhecido como "Top Down": a gente começa na gola, vai tricotando até o início das mangas, divide o trabalho entre frente, mangas e costas. Aí seguimos e, ao terminar, não precisa costurar nada (ou muito pouco!). Tricotei algumas peças usando esse método. 
A primeira foi usando o livro Knitting the New Classics, fiz o pulôver Vis a Vis.
Depois fiz um cardigã de algodão (que ficou no Brasil) e ainda fiz outro de lã, esse rosa aí da foto.



Usei tanto essas peças que decidi comprar um livro só sobre esse método, que se tornou meu livro de tricô predileto: Knitter's Handy Book of Top-Down Sweaters: Basic Designs in Multiple Sizes and Gauges, da maravilhosa Ann Bud (que também escreveu meus livros prediletos para tricotar meias, mas aí é outra história).
https://www.amazon.com/Knitters-Handy-Book-Top-Down-Sweaters/dp/1596684836/

Até agora fiz três peças com as instruções que vêm nele: o pulôver cinza, o casaco em tons de verde, azul e roxo e o pulôver bege com detalhes em verde e rosa. O legal é que ele dá não só receitas, mas tem o esquema para você tricotar aquilo que precisar.Caso você não queira investir em um livro (importado, ainda por cima!), dá para tricotar algumas peças com as informações que já estão disponíveis na internet.

O blog As Tricoteiras ensinam o método e dão uma receita para seguir: http://www.tricoteiras.com/?p=366
Leia também o complemento explicando como calcular os pontos: http://www.tricoteiras.com/?p=122


Para quem é mais visual, este vídeo é ótimo: https://www.youtube.com/watch?v=tw9NjKun2i8

Se você manja de inglês, pode usar a calculadora para pulôveres top down:
http://www.ravelry.com/patterns/library/top-down-raglan-sweater-generator

E aqui ainda tem um esquema excelente para improvisar um pulôver em raglan:
https://fringeassociation.com/2013/03/08/how-to-improvise-a-top-down-sweater-part-1-casting-on-and-marking-raglans/

Além de raglan, também é possível tricotar mangas de outras formas:
http://www.ravelry.com/patterns/library/contiguous
Essa está na minha lista de projetos a experimentar. :)

Boa diversão!


quinta-feira, setembro 08, 2016

Uma casa portuguesa com certeza


A vida dá suas voltas mesmo.
Já tinha algum tempo que eu e o marido queríamos mudar de ares. E assim foi. 
Vendemos/doamos/demos/presenteamos 90% do que havia em casa. 
Juntamos o pouco que restou em algumas malas e caixas, preparamos a filha gatinha (sim, com 16 anos não tinha como deixá-la para trás!) e partimos para o Velho Mundo.

 

E agora aqui estamos (essa foto foi em Coimbra!).
Chegamos em Lisboa, num abril chuvoso e a primavera que mal deu as caras de tantas águas que corriam.
Por sorte as meias de lã estavam nas malas, porque o frio foi forte até meados de maio. Tive a oportunidade de acompanhar a primavera chuvosa dos campos verdes que o verão transmutou em dourados e marrons. 

Agora os ventos de outono já trazem outras mudanças, mais cores, quem sabe mais oportunidades?!


Também aproveitamos para zanzar por aí. 

De abril a julho, fomos conhecer a região central de Portugal.
Coimbra, Nazaré, Óbidos, Évora, a Batalha de Aljubarrota... 
Ficamos dois meses em Leiria e mais dois em Pombal até conseguirmos um cafofo para chamar de nosso. E experimentamos muitos vinhos e pratos diversos da deliciosa culinária lusitana.

Agora moramos em Sintra, encantadora com seus castelos e histórias e gente atenciosa. 
Sua paisagem combina campos e montanhas, com pitadas de praias à distância.
Pertinho da bela Lisboa e de praias maravilhosas como Ericeira e Azenhas do Mar.

Temos muito a conhecer e logo, espero, haverá mais histórias para contar... 
Que assim seja.
 

terça-feira, outubro 27, 2015

Torta de maçã



Nossa, deixa tirar a poeira daqui... cof cof!!

Quero compartilhar minha receita predileta de torta doce.
Tenho testemunhas de que o treco é bom! :-D
Fica com esta carinha:



Costumo usar esta base de torta:

Ingredientes da massa
- 3 colheres de açúcar
- 1 pitada de sal
- 1 xícara de manteiga picada em pedaços pequenos
- 1 xícara de amido de milho
- 1 xícara e meia de farinha de trigo
- água para dar liga a massa

Misture a farinha, o amido, o sal e o açúcar.
Coloque os pedaços de manteiga, envolva-os nos pós e mexa o mínimo possível, só o suficiente para formar uma bola.
Despeje água aos poucos, menos de um copo é suficiente, é só para ajudar a dar liga.
Não precisa fazer a manteiga "desaparecer" na farinha, ok.
Quanto menos mexer, mais ela "derrete" na boca e fica fofinha.
Se a massa ficar muito dura, é porque mexeram demais nela.

Coloque por meia hora no congelador, para ficar firme.
Depois trabalhe a massa com os dedos (o mínimo possível) e abra num prato refratário ou forma redonda.
Reserve parte da massa para a decoração final (na minha forma, não costuma sobrar massa).
A massa pode ficar com uma espessura de meio centímetro.
Com um garfo faça alguns furinhos para facilitar a entrada do recheio.
Coloque no forno por uns 15 minutos até dourar.
Retire e coloque o recheio, depois a torta irá ao forno por mais uns 10 ou 15 min.

O recheio pode ser de amoras, frutas vermelhas ou maçãs.
Desconfio que abacaxi também funcione, o azedo combina bem com esse tipo de massa.
Para recheio de maçãs:
Descasque e fatie 9 maçãs fuji.
Coloque em uma panela, leve ao fogo, acrescente:
- Suco de meio limão
- Cravo, canela e noz moscada a gosto

Deixe cozinhar um pouco, só para combinar os sabores.
A maçã não deve amolecer, ok? Precisa ficar meio durinha, porque ainda vai assar dentro da base.

Para o recheio de amoras ou de frutas vermelhas:
- 800 gramas de amoras ou então combine amoras, morangos, mirtilos ou alguma fruta vermelha
- amido de milho se for preciso engrossar.
- suco de meio limão

No recheio, fica ótima a combinação de 400 gr de morango, 200 gr de mirtilos, 200 gr de amoras, umas 2 ameixas picadas (com casca).
E pode misturar ameixa, mas não faça uma torta toda de ameixa, senão quem comer a torta não sai do troninho no dia seguinte...

Modo de preparo do recheio de amoras ou de frutas vermelhas:
Leve as frutas ao fogo, sem água, porque elas vão cozinhar no próprio vapor e começar a soltar líquido.
Pode colocar alguns cravos-da-índia para dar uma acentuada no sabor (eu não coloco).
 Também dá para acrescentar um pouco de amido de milho para engrossar, às vezes ele fica bem líquido.

Depois de pronto o recheio, deixe esfriar por alguns minutos e coloque dentro da massa.
Por último, enfeite a torta fazendo tiras com a sobra da massa.
Desenhe quadrados ou cubra todo o recheio, fica a sua escolha. Pincele a
parte superior com gema de ovo e asse por 20 minutos.
Dica: Você também pode fazer um creme de baunilha para fazer uma camada a
mais no recheio ou cobertura, decorando com amoras frescas por cima.
Para finalizar, pode colocar chantilly.
Preparo chantilly com nata batida com um tequinho de açúcar.
Assim que faz os picos, coloco o açúcar e voilá.

Divirtam-se!

sexta-feira, outubro 10, 2014

Cuidados com a pele


Já tem tempo que estou enrolando para descrever meus cuidados com a pele. Desde sempre que as pessoas elogiam a pele do meu rosto... Admito que tem a ver com genética, claro (obrigada, mamãe e papai!!), mas também com a rotina que religiosamente sigo todos os dias. Minha pele do rosto é levemente oleosa, algo que acho ótimo, considero que é essa oleosidade que mantém minha pele boa e sem rugas até hoje, tá. Se sua pele também é levemente oleosa, agradeça!!!! E cuide bem dela, para não dar espinhas e afins.
 

Sigo aquela rotina básica: de manhã tem que lavar e hidratar com um creme hidratante com filtro solar. Uso tem mais de 15 anos a linha da Neutrogena, boa para controlar oleosidade. O sabonete é a barra básica, alterno entre o de pele oleosa e o esfoliante.  Nos olhos, uso o Healthy Skin Eye Cream. Já o creme hidratante eu troco de acordo com os lançamentos adequados para mim, agora é o Ultra-light para pele mista a oleosa (tem em farmácia) ou o Healthy Sking anti-wrinkle cream (comprei na gringa).
 
Mas a gente ainda precisará de certos cuidados para não virar uma frigideira no final do dia (pesadelo!). Um deles é usar primer ou BB Cream antes de passar a base (e sim, uso o hidratante E o BB cream juntos). 
Se vou voltar rapidamente para casa, passo o BB Cream e complemento com base mineral em pó (Revlon, mas tem várias marcas que disponibilizam),  algo que dura bem umas 4 ou 5 horas sem brilho. E se for para durar ainda mais, pó de sílica é excelente como acabamento, a manha é usar bem pouquinho para fixar ainda mais a base.
Gosto do pó da Nyx, chama HD Studio Photogenic Finishing Powder, 100% sílica e é o danado do pó que deixa as celebridades "esbranquecidas" se exageram na hora de passar, tá, então tome cuidado e esfume bem depois de usar.


Antes de dormir, retirar maquiagem é essencial. Uso um pouquinho de xampu Johnsons para criança (o amarelinho mesmo) em um disco de algodão levemente umedecido com água, faço espuma e retiro rímel e maquiagem dos olhos e do rosto. Depois lavo com sabonete facial e aplico algum creme noturno. A grande manha, aqui, é passar uma misturebinha esperta duas vezes por semana, o que vai garantir pele bem clara e sem rugas. Essa mistureba foi divulgada na década de 80 pelas pessoas (mulherada!) que fizeram plástica com o Dr. Ivo Pitanguy, mago dos bisturis daquela época. A própria Glória Maria indicou... e os outros conselhos dela também são ótimos!  ;-)

A receita que eu uso é essa aqui:
Um centímetro de bepantol, meio centímetro de Hipoglós, 3 ou 4 gotas de Arovit (até compro em gotas em vez das ampolas clássicas). Espalho bem no rosto, pescoço, colo, mãos e cotovelos.
Conselho: o ideal é evitar que marido veja/cheire a bagaça, tá. Deixa pras noites que ele dormir mais cedo ou viajar!! rs***


É especialmente importante usar a misturebinha nas mãos, porque elas que delatam nossa idade. Mão com pele bem tratada e sem manchas é garantia de aparência de menos idade.
Aliás,  costumo passar diariamente o creme noturno também nas mãos. E sempre deixo Bepantol ou outro creme de baby na bolsa e na minha mesa de trabalho para usar nas mãos e cotovelitos ressecados pelo menos umas 2 ou 3 vezes ao dia, especialmente depois de lavar louça.

Aqui vai a "prova": para 46 anos, está bem razoável, né?
O esmalte é o Revlon Bubble Gum, no rosa em homenagem ao Pink October.



No corpo não curto muito passar creme, admito. Uso de vez em quando no inverno, já no verão prefiro passar um óleo bem leve no banho (e tirar o excesso antes de me secar!) ou então talco. Já nos pés, todas as noites uso um creme manipulado com uréia e lanolina, geralmente se encontra em farmácia de manipulação e aqui em Bauru eles custam baratinho.
Taí as dicas prometidas. Pra terminar, lembre que a regularidade é que faz os cremes e cuidados realmente funcionarem...

segunda-feira, junho 30, 2014

Até a última gota



Divagando e ouvindo  Hawksley Workman - The Sweetest Thing There Is.


Às vezes me sinto como o personagem de Rutger Hauer em Blade Runner. Vivi tanto, vi tantas coisas e ainda quero mais.

Muito mais.

Quero o êxtase de dançar ao luar bebendo até a última gota dessa insana paixão por viver que me habita e me faz ir além dos meus limites.

Quero a delicadeza das pequenas alegrias, de uma beleza que só percebemos ao entender que sempre estamos sós nesse universo cuja grandeza nunca conseguiremos abranger plenamente.
Somos tantos e ainda assim tão sós!

Quero tanto e espero tanto que, de tanto querer, me esvazio de mim, enquanto as emoções passam, esvoaçam, me preenchem e escorrem pelas bordas da alma.

Ter a consciência de que tudo isso se vai comigo, que minhas memórias são voláteis como meu corpo mortal, ah, é o que me torna humanamente gananciosa por espremer ao máximo para que ela caiba nessa minha existência, tão grande e tão curta.


Um dia, serei mais uma lágrima na chuva.

Por enquanto, que venha o próximo desafio.